wordpress stat
Receita de creme de abóbora menina

É tempo de abóbora




A menina dança?







Creme de abóbora menina

Para 5 pessoas:

400 ml de natas com cerca de 35% de m.g.
125 g de puré de abóbora cozida
95 g de açúcar
Uma pitada de sal
½ vagem de baunilha
5 gemas

70 g de açúcar extra para queimar (opcional)

Pré-aquecer o forno a 165º C.
Preparar um tabuleiro de forno onde caibam 5 taças refractárias, para cozer em banho-maria.
Abrir a vagem de baunilha longitudinalmente e raspar as sementes com uma faca.
Misturar a nata, o puré de abóbora, 65 g de açúcar e o sal num tacho e levar a ferver em lume médio, mexendo regularmente.
Retirar do lume e juntar a vagem e as sementes de baunilha. Tapar o tacho e deixar repousar cerca de 15 minutos.
Levar o creme de abóbora a ferver, novamente. Retirar do lume e remover a vagem.
Bater as gemas com o restante açúcar (30 g).
Verter o creme quente sobre as gemas, aos poucos, e sem parar de bater.
Distribuir o creme pelas taças, enchendo-as até ¾ da sua altura.
Cozer durante cerca de 20 -25 minutos.
Retirar as taças do forno e refrigerar até que estejam completamente frias.
Para terminar, pode polvilhar-se o creme com o açúcar e queimar com um maçarico, até que esteja dourado e forme uma capa crocante.




Comentários

22 Comentários to “Receita de creme de abóbora menina”

  1. Ana Vilaça em 5 Novembro, 2010

    Sublime!!! Obrigada por pontuar com esta beleza um dia que, para mim, foi muito cinzento.

    Beijinhos,
    Ana

  2. Ofélia em 5 Novembro, 2010

    Olá Leonor
    Acho que se esqueceu de dizer quando é que se juntam as natas

  3. Leonor de Sousa Bastos em 5 Novembro, 2010

    Olá Ofélia!

    Tem toda a razão!..Já corrigi a receita!

    Obrigada,

    Leonor

  4. conceicao em 5 Novembro, 2010

    Adorei este creme, com a capa de açúcar deve ficar divino.
    Bjs

  5. Gasparzinha em 5 Novembro, 2010

    Sim, eu adoro tudo o que é feito com abóbora!! :)
    Deve ser tãaaao bom.
    Beijinhos

  6. gi dinis em 5 Novembro, 2010

    óptimo , neste maravilhoso dia de sol. Bonita imagem, como sempre a acompanhar a receita. Parabéns Leonor, adoro o seu blog.

  7. Gina em 5 Novembro, 2010

    Leonor,
    Ficou muito parecida com o creme brûlée de abóbora que publiquei e ficou delicioso, mas levava canela, gengibre em pó e pimenta jamaica também.
    Para mim, tudo que leva abóbora fica maravilhoso!
    Bom final de semana!

  8. Sofia Morais em 5 Novembro, 2010

    Esta é mais uma receita para juntar à minhas sem glúten. Obrigada :)
    Mas fiquei com uma dúvida: como é que se faz o puré?

  9. Leonor de Sousa Bastos em 5 Novembro, 2010

    Olá Sofia!

    Para preparar o puré de abóbora, limpa a abóbora de pevides, retira a casca e corta em cubos (o tamanho do corte vai influenciar o tempo de cozedura: quanto mais pequeno, mais rapidamente coze). Pode usar 3 métodos:

    – Assar a abóbora no forno (a 180º C, sobre um tabuleiro, demora cerca de 30 minutos) : gosto deste método porque a abóbora não fica tão aguada e não é necessário deixar escorrer).

    -Cozer a abóbora numa panela com água (demora cerca de 15 minutos e é necessário deixar escorrer a abóbora para que perca parte da água).

    -Pôr a abóbora no microondas durante cerca de 3 minutos, envolta em papel de cozinha, e deixar que fique mole … (deve poder espetar-se com um garfo sem que ofereça resistência). A abóbora larga grande parte da água e só tem que a escorrer bem sobre papel.

    Depois, basta triturar a abóbora com uma varinha até que fique completamente desfeita.

    Tenha em atenção que o peso em cru da abóbora não é o mesmo que depois de cozida (perde água). Normalmente, se pesar 500 g de abóbora em cru, obtenho 400 g de abóbora cozida.

    Espero ter ajudado!

    Um beijinho,

    Leonor

  10. Sofia Morais em 5 Novembro, 2010

    Obrigada Leonor!

    Por esta altura do ano, a minha mãe e a minha avó costumam fazer umas papas de abóbora que eu nunca consegui gostar. Depois fazem uma refeição de sardinhas a acompanhar com as papas. Horrível! Ah, pior ainda, a receita leva farinha de trigo.

    Este ano vou surpreendê-las.

    Só preciso de mais uma informação: onde é que se compra a vagem de baunilha?

  11. Leonor de Sousa Bastos em 5 Novembro, 2010

    Olá Sofia,

    Desconhecia esse costume e adorei que mo tivesse contado! :)
    Outro dia, em minha casa, também fiquei a saber que era costume na aldeia comer peixe frito e acompanhar com chá… achei o máximo!
    Muitas vezes, é destas recordações, quase esquecidas, que surgem ideias para novos pratos!

    Faço-lhe então o pedido…pode enviar-me essa receita de papas? :) …podia transformar-se num doce…:)

    A vagem de baunilha compra-se em supermercados. As vagens costumam vir embaladas individualmente e estar junto aos ingredientes para doces.

    No entanto, se não encontrar a vagem pode dar ao seu creme um toque diferente e substituir a baunilha por uma colher de chá de canela, um pouco de gengibre, etc…

    Tem ainda a opção de usar uma essência de baunilha, embora a maioria das que se encontram por aí tenha um sabor demasiado artificial. Tente usar extracto ou uma essência com qualidade.

    Um beijinho,

    Leonor

  12. Luciano em 6 Novembro, 2010

    Tenho um blog de receitas em Ingles e gostaria de saber se você pode me ajudar
    fazendo parceria de link comigo,desde já muito obrigado,e parabéns pelo trabalho que você faz com
    seu blog,aguardo contato

  13. belinhagulosa em 7 Novembro, 2010

    Olha nem me tinha apercibido,que bom deve ser amiga…como sempre,bjokinhas

  14. moranguita em 7 Novembro, 2010

    leonor um creme bem laranjinha que parece mais com um leite creme de abobora
    deve ser uam amravilha queimadinho
    beijinhos e bom fim de semana

  15. Carla Sousa em 7 Novembro, 2010

    Olá Leonor!

    Vou experimentar esta receita, porque tenho a sorte de ter um quintal com imensas abóboras e tenho de aproveitar.
    Na região onde vivo agora (Aveiro), faz-se um doce de Natal, que deve conhecer, os “bilharacos”. No Porto não há essa tradição, mas é uma delícia!
    Obrigada pela partilha!
    *

  16. Bombom em 7 Novembro, 2010

    Este teu cantinho é mesmo uma Flagrante Delícia, tal como este Creme de Abóbora Menina! Fiquei com uma vontade enorme de o experimentar!
    Bjs. Bombom

  17. Patrícia em 8 Novembro, 2010

    Olá Leonor!

    Mas que maravilha de fotos, o purismo das cores, a leveza da tacinha suspensa, …

    Queria fazer, mas não vi ainda nenhuma abóbora menina cá pela Alemanha e nem sei como se chama por cá, pelo que não posso enomendar (a pesquisa na net também não ajudou nada, será que alguém sabe o nome científico em latim? Talvez assim pudesse encontrar o equivalente em alemão).
    Será que dá para substituir por outra abóbora? Tenho em casa uma Butternut e de momento os mercados estão cheios de Hokkaido…

    A minha avó também fazia papas de abóbora, com açúcar amarelo, mmmhhh … que saudades! … (Penso que levava farinha de milho, ou seria outra receita? É que também fazia papas de milho!) Vou pedir a receita à minha mãe e também te envio, para lhe pôres uns “pózinhos de perlimpimpim” e nos presenteares com mais uma das tuas magias… 😉

    @ Carla Sousa:
    ai, que já me fez cescer água na boca, sou de Aveiro e adoro!
    Uma vez em conversa com um amigo meu do Porto calhou falar em bilharacos, que ele desconhecia. Quando expliquei o que era, ele disse-me que a mãe afinal também fazia e lhes chamava “bolinhos de jerimum” (ou seria “jirimum”?) Não sei é se no Porto os fazem pelo Natal.

  18. Sofia Morais em 9 Novembro, 2010

    Leonor,

    Finalmente tenho a receita que pediste. Afinal, a farinha utilizada é de milho.
    Deixo abaixo o texto da minha mãe.

    Beijinhos

    PAPAS DE ABÓBORA MENINA

    Este prato é feito há muitos anos pela minha mãe, que não têm
    quantidades certas de cada ingrediente, mas quando nos reunimos 6/7
    pessoas para comer as papas, parte-se uma abóbora com cerca de
    cinco/seis/sete quilos, aos cubos, que se põe a cozer num panela
    cobrindo a abóbora com água e deitando um pouco de sal. Quando a
    abóbora estiver bem cozida, a querer desfazer-se, escorre-se bem
    (pode aproveitar-se esta água para fazer uma sopa). Uma vez a abóbora
    cozida, e escorrida, esmaga-se com uma colher de pau e vai novamente
    ao lume. Quando começar a ferver começa-se a incorporar a farinha de
    milho (branco) que já deve estar peneirada para não ganhar grumos e
    simultaneamente continuando a esmagar bem a abóbora com a colher de
    pau, e repetindo esta operação, até obter umas papas com uma
    consistência parcida com leite creme grosso. As papas levam mais ou
    menos farinha consoante a abóbora esteja muito ou pouco escorrida e
    quanto mais bem escorrida estiver melhor, menos farinha ´leva e mais
    saborosas e leves ficam.
    Têm que se ter cuidado com os salpicos, porque com a fervura há
    tendência para a abóbora salpicar, por isso é conveniente utilizar uma
    panela funda.
    Depois da farinha incorporada deitar um pouquinho de azeite e mexer bem.
    Se tiver muitos grumos pode-se por a varinha mágica um pouquinho, mas
    o menos possivel, porque altera a consistência das papas.

    As Papas de Abóbora Menina são um prato que pode ser acompanhado com
    sardinha/carapau/bacalhau assado, temperadinho com azeite e alho.

    Quando a abóbora é pouco doce pode por-se um pouquinho de açucar
    quando as papas já estão no prato, o contraste do doce com o salgado
    sabe bem.

    Eu, pessoalmente gosto muito de comer estas papas, com açucar e
    canela, sem mais nada, como doce, mas mesmo acompanhando com salgados
    tb me sabe bem um pq de açucar e canela.

    Experimentem, que é agradável.

  19. Patrícia em 16 Novembro, 2010

    Sofia, mas que coisa boa!
    Salivei ao ler esta receita de família, parece mesmo que estou a ver aminha avó ao fogão a fazer as papas, até o fiozinho de azeite ela punha, que delícia!… E acho que também levavam canela, se a memória não me está a pregar agora uma partida.

    Leonor, estou em pulgas para a minha mãe me enviar a receita, assim que a tiver em mãos transcrevo-a para aqui.

    Beijinhos da Alemanha
    (com esta chuva apetece-me mesmo ir fazer umas papas de abóbora à moda da minha avó… quentes e doces!)

  20. Márcia em 18 Novembro, 2010

    Cara Leonor:
    Antes de mais muito obrigada pelas receitas deliciosas. Sou fã (mesmo fã!) de abóbora e tento sempre fazer doce de abóbora, porque no quintal lá de casa elas crescem espontaneamente, devido a sementes que vão ficando pela terra…. mas fica sempre muito líquido e não se conserva. Ainda há dias comi um doce de abóbora com nozes oriundo de terras do douro que estava espesso e delicioso!!!
    Não me pode dar alguns conselhos para conseguir fazer uma boa compota??

    Muito obrigada e um abraço.

    Márcia

  21. Sofia Morais em 22 Novembro, 2010

    Leonor,

    Este fim-de-semana estive em Coimbra, em casa dos meus pais, e aproveitei para fazer o teu doce. Apesar das várias aldrabices culinárias, o resultado foi delicisioso! Não sou só eu que digo – a minha tia e a minha avó pediram-me logo a receita.

    Acerca das aldrabices:
    – como não tinha a baunilha utilizei limão;
    – como não tinha cinco tacinhas utilizei só uma taça grande (faz diferença porque quando se serve no prato fica mais com ar de papas).

    Da próxima vez ainda vou experimentar com a capa de açúcar queimado.

    A minha Mãe também ficou contente porque aprendeu a assar a abóbora no forno, sem ter de esperar para que escorresse no final.

    Quanto a mim, deixei a impressão que até sei cozinhar 😉 portanto só tenho a agradecer!

    Um beijinho,
    Sofia

    PS: Patrícia, obrigada! De facto umas papinhas quentes no frio da Alemanha devem saber mesmo bem.

  22. Clara ML em 28 Outubro, 2011

    Olá Leonor!
    Finalmente experimentei…
    Feita, aprovada, deliciada e já guardada para repetir mais vezes!!!
    Beijinhos!!!

Comentar




    Translation





  • Últimos posts

  • Receitas por categoria

  • Arquivos