wordpress stat
Receita de bolo de caramelo

shhh…




Este bolo é um segredo. Partilha-o apenas de boca em boca.







Bolo de caramelo

Para 6 a 8 pessoas:

Bolo
250 g de açúcar mascavado claro (150 g para a massa + 100 g para caramelizar)
200 ml de natas 35% de m.g.
100 g de manteiga amolecida
150 g de farinha com fermento
1 colher de chá de fermento químico
2 gemas
3 claras
Uma pitada de sal
½ vagem de baunilha
¼ de colher de chá de cardamomo moído

Cobertura toffee
100 g de açúcar mascavado claro
250 ml de natas 35% m.g.

nozes pecan tostadas

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar com manteiga e polvilhar ligeiramente de farinha uma forma com cerca de 24 cm de diâmetro.
Abrir a vagem de baunilha longitudinalmente e raspar as sementes com uma faca.
Ferver a nata numa panela ou no microondas.
Pôr os 100 g de açúcar num tacho, em lume brando, até que derreta completamente.
Verter a nata aos poucos, mexendo bem até que fique um creme homogéneo. Reservar.
Bater a manteiga com o açúcar até que fique clara e cremosa.
Juntar as gemas, uma a uma, batendo bem entre cada adição.
Adicionar o caramelo e as sementes de baunilha, enquanto bate.
Juntar a farinha peneirada com o fermento e bater apenas até ligar todos os ingredientes.
Bater as claras em castelo com uma pitada de sal e incorporar na massa.
Colocar a massa na forma e cozer
Cozer por 20-30 minutos ou até que um palito inserido no centro do bolo saia seco.
Retirar do forno e deixar arrefecer cerca de 10 minutos antes de desenformar.

Ferver a nata numa panela ou no microondas.
Pôr os 100 g de açúcar num tacho, em lume brando, até que derreta completamente.
Verter a nata aos poucos, mexendo bem até que fique um creme homogéneo.
Verter o creme sobre o bolo e decorar com nozes pecan.

Share



Comentários

71 Comentários to “Receita de bolo de caramelo”

  1. Isabel Capela em 16 Maio, 2012

    Cara Leonor,

    Em primeiro lugar quero cumprimenta-la pelo seu magnífico “sítio” de gulodices, receitas que convidam a ir para a cozinha, acompanhadas de fotografias que são no mínimo tentadoras. Apetece experimentar tudo.

    Já uns tempos andava para experimentar esta sua receita e hoje finalmente foi o dia. Tudo correu bem, o bolo ficou perfeto, todos os ingredientes que indica incorporadas mas “hélas” ! chegada á cobertura toffee a coisa correu mal, ou seja, ficou demasiado líquida e não mimou de todo o aspecto cremoso da sua cobertura tal como aparece na fotografia.
    Já quando fiz o caramelo para o bolo verifiquei que estava demasiado líquido e, como alguém partilhava acima também ferveu quando despejei as natas e formou alguns pedaços duros que entretanto consegui desfazer com um pouco mais de calor.
    Quando cheguei ao “toffee” fiz tudo com lime ainda mais fraco, menor quantidade de cada vez, mas ainda que não tivesse praticamente pedaços endurecidos , ficou completamente liquefeito.
    Qual é o truque ???? alguma pista ? será que as natas que usei, sendo frescas obviamente, como verifiquei depois só tinham 30% de mg em vez dos 35% por si recomendado? (só dei por isso após o “toffee failure”) ?

    Obrigada

    Cumprimentos

  2. Leonor de Sousa Bastos em 16 Maio, 2012

    Olá Isabel,

    Em primeiro lugar agradeço imenso a sua simpatia.

    Realmente, a cobertura do bolo fica bastante espessa e cremosa e acho estranho que a sua tenha ficado líquida.
    Às vezes, é muito difícil para mim poder adivinhar qual o motivo em concreto para que uma receita não tenha corrido bem…eu juro que todas as medidas e instruções que dou são as correctas!:)

    Eu sei que me diz ter seguido a receita à risca mas, sem que me leve a mal, usou o açúcar mascavado claro?
    Não adicionou água ao açúcar?
    É que eu fiz tal e qual como explico…o açúcar mascavado a derreter em seco, mexendo para evitar que queime e as natas quentes por cima para evitar que salpique ou crie grumos.
    É certo que a mistura tem tendência a criar pequenos grumos mas, continuando a ferver, eles dissolvem-se e desaparecem.

    Embora a percentagem de gordura das natas seja importante,(entre 32 e 35% de matéria gorda) não creio que com natas com 30% M.G. faça diferença.

    …Agora que estou a ler bem a receita tenho receio de não me ter explicado bem. Quando digo que é para derreter o açúcar, este tem que derreter e ficar caramelizado (com um tom dourado escuro) antes de adicionar as natas. Se o açúcar não estiver em caramelo o creme não ficará tão espesso.

    Peço desculpa pelo transtorno e pela explicação pouco precisa da cobertura. Espero também que possa dar uma nova oportunidade à receita…não tive a intenção de omitir nada importante. Para mim, é um dado adquirido que um toffee parta de um caramelo mas, por vezes, não tenho presente que isso possa não ser óbvio para toda a gente.

    Se voltar a experimentar a cobertura, por favor, diga-me como correu.

    Um beijinho,

    Leonor

  3. Isabel Capela em 18 Maio, 2012

    Olá Leonor,

    Em primeiro lugar deixe-me dizer-lhe o mais importante : o bolo é simplesmente delicioso !

    Em segundo lugar: obrigada pela sua rápida e simpática resposta.

    Agora finalmente passemos aos pormenores técnicos e ao que diz respeito ao famigerado “toffee”, a resposta à sua pergunta se usei o açucar mascavado claro, é sim. Por causa disso e após alguma pesquisa fiquei a conhecer as diferenças entre o verdadeiro açucar mascavado e o “pintado” . Coisas que provalvelmente você está cansada de saber e a mim nem me passava pela cabeça. É sempre bom aprender e nada como esta ferramenta chamada internet para tornar fácil tal tarefa.

    Ainda no mesmo dia, e após ter posto o toffee liquefeito sobre o bolo, o que confesso ficou interessante pois “molhou-o” um pouco, voltei a tentar o fazer a cobertura e desta vez ficou bem. Usei a cabeça e a experiência, juntei as natas a ferver aos poucos e retirei um pouco o tacho do calor. Juntei uma colher de chá de manteiga para acrescentar gordura e fervi a mistura novamente até verificar que estava cremosa. Objectivo conseguido e para a proxima nem manteiga ponho.

    Obrigada Leonor por esta e todas as receita deliciosas que aqui partilha bem como pela sua simpatia.

    Como eu acho que o acto de partilhar é importante, deixo aqui uma receita de um bolo simples, que a minha Avó fazia e que diz quem provou, ser delicioso.

    Fatias Celeste

    400 gr de açucar
    350 gr de farinha
    1 colher de chá de fermento químico
    125 gr de manteiga
    125 gr de banha
    6 ovos
    3 laranjas
    250 gr de açucar “pilé”

    Batem-se as gemas com o açucar a manteiga e a banha.
    Em seguida vai-se juntando aos poucos a farinha e o fermento previamente misturados. Por fim juntar as claras batidas em castelo.
    Vai ao forno em tabuleiro untado de manteiga e polvilhado de farinha.
    Misturar o sumo das 3 laranjas com o açucar “pilé”. Assim que o bolo sair do forno deita-se a mistura por cima do bolo.

    Esta é a receita original, eu acrescento-lhe raspa de laranja e corto em quadrados e tenciono, na próxima vez que fizer enfeitar com as suas rodelas de laranja no forno com açucar.

    Espero pelo menos que ache graça à minha ousadia de lhe deixar aqui a receita de um bolo. Se decidir experimentar sinta-se à vontade de recriar e já agora sinta-se também à vontade para “censurar” este comentário demasiado longo e deixar apenas o que porventura achar interessante para a feitura do bolo “licioso” (como diz a minha filha de quase 3 anos) ou da sua cobertura toffee.

    Um beijo para si

    Isabel

  4. Leonor de Sousa Bastos em 20 Maio, 2012

    Olá Isabel,

    A minha avó fazia muitas vezes um bolo de caramelo que só depois descobri tratar-se do “bolo de caramelo dos Açores”. Era um dos favoritos da minha mãe e nesse quis fazê-lo para lhe levar mas, quando dei conta, não tinha os ingredientes todos em casa e improvisei. O resultado foi este bolo que, para mim, ainda ficou melhor do que o original.:)

    Habituei-me a ir para a cozinha sempre com papel e caneta e a apontar tudo o que faço para, no caso de sair bem, saber exactamente como fiz. Tudo aquilo que escrevi é o que tenho aqui no Flagrante Delícia e já voltei a repetir a receita sempre com o mesmo resultado. Fico sempre “aflita” quando alguém me diz que algo não correu bem porque nunca omito absolutamente nada…aliás, tento sempre explicar melhor as receitas aqui e de uma forma que garanta que todos o façam um bolo igual ao meu.

    Compreendo como é frustrante quando seguimos uma receita que até parece boa mas, no final nada corre como devia…eu fico irritada quando isso me acontece porque além de ser uma perda de tempo, é um desperdício de ingredientes. Não imagina o meu alívio por saber que a segunda tentativa correu bem!… 🙂

    Eu também acredito na partilha. Acho que é a única forma de preservar as receitas e o primeiro passo para que haja evolução seja em que área for…
    Vou experimentar esta receita (só não a experimento hoje porque tenho que comprar banha, um ingrediente que como nunca uso, não costumo ter em casa) e, quando a fizer, publico com os devidos créditos à autora. 🙂

    Um beijinho e obrigada,

    Leonor

  5. Isabel Gui em 23 Maio, 2012

    Olá Leonor,

    Obrigada pela sua, sempre pronta, resposta.
    Voltei a fazer o bolo e na 2ª tentativa o creme ficou perfeito, uma verdadeira delicia.
    Eu atribui o facto de ter ficado liquido da primeira vez, ao baixo teor de m.g. das natas que só tinham 30%, e na 2ª já utilizei as de 35% e ficou logo diferente. Mas, uma vez que diz que essa diferença não deve ter sido a causa do fracasso, vou voltar a tentar a de 30% na esperança de ser bem sucedida.

    mais uma vez obrigada pela partilha deste segredo.

  6. Cláudia em 24 Junho, 2012

    Olá, Leonor
    Decidi experimentar este bolo ontem. Segui tudo à risca, com excepção do cardamomo que não encontrei à venda. Apesar do bolo ter ficado com um aspecto delicioso, toda a gente perguntou se o bolo levava café… isto porque não estava nada doce, sobretudo o caramelo. Será que deixei tempo de mais o açúcar na caçarola?!
    Agradeço a ajuda!
    Beijinhos

  7. Leonor de Sousa Bastos em 26 Junho, 2012

    Olá Claúdia,

    Muito obrigada pelo seu email.

    Infelizmente, se o bolo parecia levar café é porque provavelmente o caramelo queimou e ficou com um travo amargo. Quando fez o caramelo, não estava com cor de queimado?…é que basta que deixe queimar uma pequena parte para que todo o sabor fique comprometido. O caramelo tem que ficar com uma cor dourada e se não estiver completamente segura do ponto exacto, mais vale deixá-lo ficar com uma cor mais clara porque entre pôr as natas e não pôr, ele vai cozinhado e queima muito rapidamente.

    Se fizer caramelo com açúcar e água nunca deve mexê-lo para não cristalizar o açúcar (pode apenas mover ligeiramente o tacho). Se fizer caramelo em seco, como este, pode mexer o açúcar para evitar que ganhe mais cor num lado do que noutro.

    Espero ter ajudado.

    Um beijinho,

    Leonor

  8. Cláudia em 26 Junho, 2012

    Leonor,
    Obrigada pela resposta.
    Efectivamente o caramelo ficou num tom escuro, mas o tachinho não queimou nem sabia a queimado… simplesmente quando provamos o bolo estava com um sabor um pouquinho amargo. As pessoas mais velhas adoraram o sabor (pensavam mesmo que tinha café) mas eu não gostei muito, pois estava demasiado para mim!
    Da próxima vez que fizer vou então deixar escurecer menos!
    Obrigada pela ajuda!
    Bejinhos

  9. Tina em 9 Outubro, 2012

    Leonor, fiz este bolo para participar num concurso de sobremesas e não é que ganhei o primeiro prémio??? A eleição foi feita pelas pessoas que provavam 5 das sobremesas a concurso e votavam na que mais gostavam!!

    =) Agora tenho uma boleira de vidro linda em casa que lhe devo inteiramente a si!

    Obrigada pela partilha de saberes.

    Tina

  10. Angela Ribeiro em 28 Janeiro, 2013

    Leonor,
    quero fazer este bolo, mas não sei onde comprar cardamomo, e já agora o que é o fermento quimico, é o que habitualmente chamamos de pó Royal??
    Parabens, pela qualidade das imagens, tudo se torna muito apelativo,
    Angela

  11. Leonor de Sousa Bastos em 31 Janeiro, 2013

    Olá Angela,

    Normalmente o cardamomo encontra-se na parte das especiarias dos supermercados. Apesar de tudo, pode perfeitamente não o usar…

    O fermento químico é mesmo o fermento para bolos!:)

    Obrigada e um beijinho,

    Leonor

  12. Mariana em 12 Abril, 2013

    Este bolo foi expressamente “encomendado” por mim para os meus anos!
    O motivo não foi propriamente o caramelo, mas a foto era demasiadamente apetitosa para não experimentar, além disso já há muito tempo ouvia falar do molho toffee, mas nunca tinha tido oportunidade de o experimentar.
    Saborear a primeira fatia, foi uma otima experiência, pois deu-me a sensação que era um bolo totalmente diferente de tudo que já tinha experimentado: um bolo quente, aromatizado, húmido, a doçura e o crocante de partículas que se encontravam no molho toffee! Escusado será dizer que não fui a única que fiquei rendida.
    As únicas diferenças entre as duas receitas foi o uso de nozes simples e de açúcar mascavado escuro em vez do claro (não sei se existe alguma diferença de sabores entre os 2 açúcares?).
    A apresentação poderá não ter ficado tão bonita, mas o sabor deve ter chegado lá perto! 🙂
    Foi um bolo que me revitalizou após um dia de trabalho!

    Obrigada por nos oferecer um mundo mais doce!

  13. Leonor de Sousa Bastos em 21 Abril, 2013

    Olá Mariana,

    Que bom que gostou do bolo!…fico mesmo feliz!:)

    O açúcar mascavado claro tem um sabor muito mais leve do que o escuro. Para lhe dar um exemplo, é como a diferença do sabor de um caramelo que deixamos dourar ligeiramente ou um caramelo que deixamos cozinhar até estar mais escuro. Para a próxima experimente com o claro!…e eu um destes dias também vou ter que experimentar a versão com o açúcar escuro! 😉

    Obrigada eu!

    Beijinhos,

    Leonor

  14. Husna em 13 Abril, 2013

    Bem, estou um bom bocado confusa com esta receita!
    Para onde vão os 200 Ml de natas que aparecem na lista de ingredientes do bolo??????????? Na explicação abaixo aparecem 2 Xs a seguinte explicação:
    Ferver a nata numa panela ou no microondas.
    Pôr os 100 g de açúcar num tacho, em lume brando, até que derreta completamente.
    Verter a nata aos poucos, mexendo bem até que fique um creme homogéneo

    Será que é um erro. Porque se não é, o que fazemos então com esta mistura após reservar?????
    Desculpem a explicação deste bolo está terrivel. Não consigo perceber..Apenas posso tentar adivinhar.

  15. Husna em 30 Maio, 2013

    Bem..após a confusão que me fez a descrição da receita..tentei á mesma..e devo dizer Leonor…..este bolo é um dos melhores que já comi!!!!!!
    Parabéns!
    Obrigado pela partilha.

  16. Patrick Fragel Lawyer em 17 Novembro, 2014

    Patrick Fragel Lawyer

    Caramel cake recipe | :: best dessert recipes from leonor de sousa bastos | flagrant delight ::

  17. Eugénia em 16 Janeiro, 2015

    Olá,
    infelizmente só em dezembro de 2012 descobri este Blog, que de vez em quando leio por “Prazer pecaminoso” que considero só meu!! 😉
    mas apos tantas leituras, só hoje vi este e os comentários…
    primeiro não via os comentários! 🙁 ….mas agora depois de ver algumas das respostas da Leonor, passei a devorar os comentários.

    Só hoje, 16 Jan de 2015, encontrei este divino bolo! e a sua capacidade para nos ensinar!

    presto-lhe uma vénia pela sua compreensão, delicadeza, simplicidade em se desdobrar para melhor nos esclarecer!

    muito obrigado do fundo do meu guloso coração e alma,
    muitos beijinhos, tudo de bom e bem haja.

  18. Apolónia em 13 Janeiro, 2016

    Olá Isabel. A sua receita tem um aspecto deliciosa, e pelo feedback de quem já experimentou parece ser divinal. Mas tenho uma duvida, em que momento adiciona o cardamomo?

    Obrigada.

  19. Cristina Lopes em 18 Fevereiro, 2016

    Verdadeiramente delicioso, Chef. Fiz pela primeira vez no passado dia 15 para o aniversário do meu pai, foi um sucesso. “Não se pode comer um bolo sem o perder”, foi “um ato de amor”.

Comentar









  • Últimos posts

  • Receitas por categoria

  • Arquivos