wordpress stat
Receita de Gaspacho de Nectarina e Pimento Laranja com Sorvete de Manjericão e Citrinos.

Um Arraial na Cabeça.

Que me perdoem os santos,
podem cair.
Eu quero é subir.
Levar-te na roda-gigante,
anunciar-te em néon,
pendurar-te as lâmpadas,
beijar-te a fio,
morder-te a pavio.
Montar-te na noite imensa
como um arraial
na cabeça.

Ver receita

Share
Receita de Scone Integral Salgado.

Cálculo Integral.

O meu cálculo faz-se em sístole e diástole.
Aprendi que, antes que te chegue à boca, o grão se mói no lado esquerdo.

Ver receita

Share
Receita de Bolo de Café e Especiarias com Avelãs.

Ração de Combate

Disparo sobre as folhas que são brancas, onde
há linhas de pássaros pousados que se levantam
profundamente. Há um voo a atravessar-me a carne
em todas as fendas, que se pode ver porque estão
abertas: as asas, as feridas, as flores flagrantes.
Não me importa o corpo crivado, se um poente se
derramar entre nós. Eu sei que uma guerra se faz
por menos fé que te tenho.

Ver receita

Share
Receita de Mousse de Banana com Toffee de Chocolate e Avelãs.

Como o Macaco Gosta de Banana

Eu gosto de ti.
Escondi a mousse debaixo da cama e comi,
comi.

Adaptado de José Cid.

Ver receita

Share
Receita de Granola com Sementes de Girassol, Coco e Amêndoas.

Acordar para dentro.

Acordo de pálpebras fechadas pela imprecisão da manhã. Estas noites em que me rebolo na cama têm o hábito de me trocar os sentidos. Perco as horas do tempo de rotação do planeta sobre si mesmo, da distância que se perde quando os sonhos entram pela retina. Do movimento.

Não há nada que demonstre o dia ou negue a escuridão. Procuro algo palpável. Um lugar onde agarrar os dedos abertos, atentos. Um guia para o silêncio.

Uso todos os instrumentos como lentes da verdade. O cheiro solar em todo o seu espectro. Os ruídos pequenos na aparência inerte do descampado. Eu não sinto, eu vibro. Uma música que se faz das coisas na pele pelos poros. Um arrepio.

É então que me sabe a luz pela boca adentro. Apago todas as candeias do firmamento porque me basta o teu nome para abrir os braços. Porque me chegam as mãos para medir a velocidade, o açúcar e o sol.

Celeste é a língua em que se escreve tão doce e eu uno-te ponto a ponto, cegamente. É dia.

Ver receita

Share

Página seguinte »